Ilustração de um acidente de trabalho

Segurança no trabalho: 11 dicas para a prevenção de acidentes

A cada ano no Brasil, 700 mil pessoas sofrem acidentes de trabalho. Esses acontecimentos podem resultar em lesões sérias, ferimentos e até mortes. Diante desses números, reforçar os cuidados de prevenção de acidentes é fundamental.

Automaticamente, empresas sofrem com inúmeras taxas de indenizações, tratamentos médicos e afastamento desses funcionários prejudicados. A melhor forma de se evitar todo esse doloroso processo é investindo em segurança no trabalho.

Diferentes setores e funções precisam de atenção quanto à segurança. Nesse sentido, algumas sugestões podem ser de grande valor para manter parâmetros e medidas de proteção ao funcionário. A seguir, confira 11 dicas de prevenção de acidentes!

1. Preze pela atenção no trabalho

Todo trabalho precisa ser feito com foco. Especialmente em cargos que envolvam riscos, é fundamental ter atenção nos fatores do ambiente que podem torná-lo perigoso. Com cada vez mais recursos de distração, é importante determinar regras para a proteção do trabalhador e a prioridade com suas obrigações.

Conversas, celulares e até mesmo fatores como o cansaço podem expor o trabalhador a acidentes. O ideal é que esse funcionário conheça todos os fatores que podem envolver riscos à sua integridade. Diante disso, ao exercer seu trabalho, ele pode estabelecer práticas mais adequadas e manter-se atento ao ambiente.

2. Evite a exposição imprudente ao risco

Acidentes acontecem frequentemente por plena imprudência do trabalhador. Se alguma situação próxima a você demonstra perigo iminente, não se aproxime. Esse pensamento deve ser difundido por toda empresa para que, assim, se torne uma ideia ampla.

Quando calculado, o risco pode ser entendido, fortalecendo a prevenção de acidentes. Algumas atividades profissionais pressupõem perigos, mas, nesses casos, o trabalhador tem recursos de proteção. Elas são exceção e não devem ser consideradas.

Não acesse locais aos quais você não tem autorização prévia para estar ali. Evite também ficar próximo de áreas e equipamentos para os quais você não tenha um treinamento qualificado. A imprudência pode ter consequências graves.

3. Mantenha o local de trabalho limpo e organizado

Muitos acidentes ocorrem por desorganização da área de trabalho. Uma caixa deixada no caminho, uma ferramenta largada no chão, algum produto vazando pelo piso e outros desleixos podem custar caro. Quando esses descuidos se juntam à intensidade das rotinas de trabalho, o resultado pode ser perigoso para todos.

Quanto a esse ponto, trata-se de cuidados simples, mas que fazem toda a diferença. O comprometimento por um local organizado é um dever de todos os trabalhadores que o ocupam. O trabalho em equipe tem como resultado um ambiente livre de riscos, em que todos possam transitar e atuar sem problemas.

Cabe aos coordenadores, supervisores e gestores reforçarem a importância do local limpo e devidamente organizado. Assim, todos podem seguir os parâmetros.

4. Exija o uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs)

Toda empresa é obrigada a fornecer, sem custo algum para o trabalhador, todos e quaisquer EPIs que se façam necessários na atuação. Os funcionários terão diferentes demandas de proteção para realização de suas tarefas com segurança. Cada trabalho executado tem parâmetros que exigem EPIs específicos.

Da mesma forma, uma vez que os EPIs estejam em posse do colaborador, ele é obrigado a utilizá-los, assim como zelar pela integridade deles. Por isso, passa a ser responsabilidade de cada trabalhador usá-los durante a atuação. A empresa tem o dever de fornecer e o direito de cobrar o uso de cada um deles.

Entre esses equipamentos estão luvas, óculos, protetor de respiração, protetor auricular, cintos antiquedas, capacetes, botas, entre outros. É fundamental respeitar as exigências de cada atividade exercida.

5. Cuide de você e do seu colega de trabalho

A prevenção é um trabalho em equipe a todo momento. É fundamental que companheiros de trabalho cobrem e orientem uns aos outros, para evitar acidentes e situações de risco. Um bom exemplo é com o uso dos EPIs. Um funcionário deve sempre lembrar e fiscalizar o outro para gerar a cultura certa.

Outra questão importante é evitar a realização de tarefas de forma isolada, especialmente em áreas de risco. O acompanhamento, seja de outro companheiro ou de um técnico de segurança do trabalho, é prudente e importante. A premissa para todos os serviços sempre deve ser um cuidando do outro.

Para que isso funcione, é importante que a questão seja sempre abordada como uma forma de parceria entre companheiros de trabalho. Assim, o ambiente se torna mais seguro e fortalece a cultura de prevenção de acidentes.

6. Comunique incidentes

Incidentes podem virar facilmente acidentes. Tudo que acontecer fora da normalidade em suas tarefas deve ser comunicado aos superiores e, principalmente, ao setor de segurança do trabalho. Normalmente, cada empresa tem seu próprio procedimento quanto aos registros de incidentes, então, é fundamental segui-lo.

Cada experiência servirá de alerta a outras pessoas que se encontrarem na mesma situação. Comunicar essas situações serve para chamar atenção para ocorrências que podem se repetir com outros trabalhadores. Futuros problemas podem ser evitados de maneira simples, com a adoção de práticas de correção e prevenção.

Comunicar os incidentes deve ser um hábito. Quanto mais a empresa fica sabendo deles, mais poderá trabalhar de forma objetiva na extinção de riscos. Esse ciclo tende a resultar em um ambiente de trabalho cada vez mais seguro.

7. Informe-se sobre a CIPA

A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) é um grupo formado por representantes indicados pela direção, e outros elegidos pelos funcionários e secretários.

Essa comissão tem a função de manter a segurança no trabalho, criar regras para a empresa e acompanhar e eficácia e cumprimento delas. Além disso, a CIPA é quem dá apoio aos funcionários lesionados, acompanha seu afastamento e retorno ao trabalho e determina ações que possam isolar possíveis problemas.

A CIPA cuida não só da saúde física dos funcionários, como também da saúde mental e bem-estar, fazendo campanhas de conscientização, feiras de saúde, promovendo atividades, gincanas e palestras. Procure a equipe da CIPA de sua empresa e conheça um pouco mais sobre as ações realizadas no seu local de trabalho!

8. Use apenas máquinas de trabalho que passaram por revisão

Máquinas adequadas são uma forma de prezar pela prevenção de acidentes. Entretanto, nem sempre as empresas se preocupam com a rotina de manutenção adequada. A falta de tempo, o custo e a necessidade de usá-las em tarefas são fatores que causam esse problema. O colaborador, no entanto, não deve se arriscar.

Toda máquina precisa de cuidados e de revisão frequente. Se isso não acontece, ela está suscetível a curtos e ao mau funcionamento que pode gerar acidentes. Nem sempre o problema se limitará a um trabalho executado de forma ruim. As consequências podem atingir o funcionário que está fazendo uso dela.

Ao perceber algum problema, comunique os responsáveis sobre a necessidade de manutenção. É fundamental ter regularidade nas revisões, já que essa negligência pode causar acidentes e gerar riscos aos trabalhadores.

9. Abandone ferramentas em más condições

As ferramentas também são itens que podem gerar problemas e devem entrar na rotina de prevenção de acidentes. Elas estão sujeitas ao desgaste natural do uso e do tempo, o que também pode colocar em risco quem as manuseia no cotidiano.

É fundamental que o colaborador deixe de usar aquelas que estão em más condições, principalmente as expostas aos impactos e intensidade, que podem gerar consequências.

A quebra de um cabo, por exemplo, pode fazer com que o trabalhador perca o controle, resultando em algum choque contra seu próprio corpo. Ferimentos de diferentes níveis podem acontecer e tirar o funcionário de atividade.

O mais correto a ser feito é cobrar novas ferramentas e deixar de usar as que não apresentam mais condições. Quanto à empresa, cabe fiscalizar os equipamentos regularmente e providenciar a troca quando for necessário.

10. Limite-se apenas às suas funções

Trabalhadores não devem executar atividades para as quais não são treinados, especialmente as que envolvem riscos. Muitas delas requerem treinamentos e cursos mais profundos, justamente o que qualifica colaboradores para executá-las.

Em nenhuma ocasião essa prática deve ser feita. Ela é ilegal, pode causar acidentes e prejudicar a empresa. Certamente, o empregador não vai solicitar que um funcionário despreparado faça algo que não saiba. Junto a isso, cabe também ao trabalhador não se arriscar fazendo trabalhos que não são de sua competência.

Essa negligência atrapalha a prevenção de acidentes! Caso o funcionário seja orientado a fazer algo que não sabe, deve procurar um superior ou um técnico de segurança de trabalho para informar que não tem a qualificação necessária.

11. Opere máquinas com responsabilidade

As máquinas são necessárias para diversos trabalhos em fábricas e empresas de grande porte. Portanto, a operação requer parâmetros básicos de uso. As boas práticas vão desde a atenção ao executar trabalhos até o uso dos EPIs. Muitas delas são cortantes, pesadas e têm outras características que, se não forem respeitadas, representam sérios riscos.

É fundamental que o operador seja, primeiramente, qualificado para trabalhar com a máquina. Além disso, ele precisa ter toda atenção quando estiver operando, especialmente quando há outros trabalhadores por perto. As de grande porte envolvem riscos não só para quem as controla, mas também para quem está ao redor.

Quando o funcionário tem todos os recursos necessários, seu comprometimento e responsabilidade é reforçado. Se ele executa o serviço de forma certa, terá sucesso e manterá os padrões de segurança da empresa.

O trabalho de prevenção de acidentes é extenso, porém, fundamental para a empresa e seus colaboradores. Boas práticas ajudam a tornar o local de trabalho mais seguro para todos.

Gostou das dicas? Agora aproveite e saiba um pouco mais do papel da Cipa nas empresas!

Powered by Rock Convert

8 Replies to “Segurança no trabalho: 11 dicas para a prevenção de acidentes”

  1. Ótimas dicas, estou desenvolvendo uma campanha de prevenção a acidentes no trabalho e o conteúdo ajudou bastante

  2. Estava indo para o trabalho tomei escorregao e tive uma torcao, mas mesmo assim trabalhar com muita dor a em empresa nao pagou taxi pra levar ao medico mal consegui colocor os pes no chao eu fui pro hospital de onibus isso foi negligencia diante da gerencia ass grasi

  3. Eu trabalhei a noite toda com torcao de manha me mandaram embora nao seguir colocar os pes no chao chorando fui de onibus para o medico

  4. Comecei a sentir uma dor no pescoço pela manhã durante o meu trabalho e no final do dia não conseguia mais mexer meu pescoço que ficou muito dolorido, só posicionado para um lado. Trabalhei o dia inteiro sentindo dor, sem me darem um remédio para passar a dor e ainda fui motivo de chacota pela gerente geral por causa do posicionamento do meu pescoço. Apenas no dia seguinte consegui ir ao médico, pois fiquei entrevada sem poder me mexer e o médico solicitou afastamento de três dias.

  5. esta dica e muito importante, eu cai doente em 2016 nao tive nenhuma ajuda da minha instituicao daqui ganho uma novs visao

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This