Equipe na indústria avaliando a qualidade da matéria-prima

Qualidade da matéria-prima: entenda as 4 formas de controle que você precisa fazer

A cada ano que passa, estamos com o entendimento maior sobre como as matérias-primas afetam a qualidade do produto final. Isso só foi possível graças ao surgimento de tecnologias analíticas para a área da indústria. Na prática, a qualidade da matéria-prima deve ser um tema presente para todos que se preocupam com o seu resultado final.

Graças a isso, já é claro para todo o segmento da indústria que a qualidade da matéria-prima é o primeiro fator que vai indicar o sucesso de um produto no mercado, assim que ele é entregue para os distribuidores.

Assim, o uso de soluções para coletar, analisar e gerar relatórios sobre grandes conjuntos de dados é essencial. Elas ajudam no entendimento do que é preciso validar em cada matéria-prima. Por sua vez, isso levou a uma melhor compreensão do processo de fabricação e a uma sequência de ações mais estruturadas e otimizadas.

Como melhorar o controle operacional utilizando um plano de ação
como implementar a metodologia 5w2h

Para isso, é preciso seguir padrões específicos, ou seja, parâmetros que devem ser o norte de todo o trabalho da área de qualidade. Mas antes, vamos entender mais sobre o que é o controle de qualidade da matéria-prima.

Como podemos definir o controle de qualidade da matéria-prima?

Antes de passar para a parte prática das formas de controle, é importante entender o que seria essa gestão da qualidade da matéria-prima. 

Podemos definir ela como o processo de controle de qualidade feito através de análise e auditoria sobre cada matéria-prima utilizada dentro do processo industrial de fabricação.

Esse controle pode passar por diferentes etapas, dependendo do tipo de matéria-prima ou do produto final que será entregue. Em resumo, as principais são:

  • Recebimento da matéria-prima;
  • Teste de comprovação da qualidade;
  • Análise dos resultados;
  • Identificação de conformidade ou não conformidade;
  • Comunicação para o fornecedor da matéria-prima.

4 formas de controle para manter a qualidade da matéria-prima

Imagine a situação em que no final da produção de um lote de produtos, a área de qualidade identificou um problema que vai resultar no descarte de tudo que foi produzido. 

Na análise, foi identificada que a matéria-prima possuía uma irregularidade que acabou prejudicando todo o processo. Ou seja, o trabalho, tempo e produtos perdidos poderiam ter sido melhor aproveitados se antes a matéria-prima tivesse passado por uma série de auditorias baseadas em parâmetros específicos.

Então confira 4 formas de controle para conquistar o seu objetivo final: produzir produtos com alto nível de qualidade!

1. Eliminar a variação de matéria-prima para manter o padrão no produto final

No processo industrial, encontrar um produto com falha em meio a um lote significa dizer que ele passou por um erro no processo. Para ficar claro: a perda de um lote pesa muito para uma operação, tanto em termos de dinheiro, tempo como recursos.

Mas quando falamos de variação, isso só pode ser descoberto através do conhecimento da fonte de matéria-prima e da quantidade diferente do padrão que estava presente em cada lote. Mesmo com um volume considerado pequeno, qualquer mudança vai interferir no resultado final dos produtos.

Testes físicos e químicos podem ser usados ​​para caracterizar perfis de pureza e impureza de diferentes fontes. Esses testes podem nos dizer qual é o impacto real caso seja encontrada alguma variação em todo o conjunto de matéria-prima que foi adquirida.

guia-completo-sobre-checklist-na-industria
  • Dica: Você deve criar um checklist de especificações separado para cada tipo de material exclusivo utilizado no processo de fabricação, e não criar especificações para uma categoria inteira. Se sua lista for muito abrangente, terá mais chances de contar com problemas de variação que interferem na qualidade final do produto.

2. Identificação dos problemas antes de seguir para a produção

É fundamental que exista uma boa comunicação entre as indústrias e os fornecedores de matérias-primas. Quando houver um problema, essa interação vai ajudar a determinar a causa. Assim, as empresas podem trabalhar juntas para fazer os ajustes necessários.

O mais importante é que isso seja feito de forma antecipada, durante o momento da aquisição. Assim, é fundamental fechar um contrato que delimita quais são os pontos que podem ser levados como fatores de recebimento ou não da matéria-prima.

Devem existir critérios claros de aceitação e rejeição da matéria-prima em caso de não conformidade com os parâmetros acordados

  • Dica: Adicione critérios adicionais que ajudarão a controlar a qualidade, segurança e autenticidade da matéria-prima. O que você gostaria de saber sobre o material antes de aceitá-lo? Por exemplo: está na temperatura correta? Está devidamente rotulado? A embalagem está intacta e sem evidência de adulteração?

3. Métodos de entrega

Uma das formas de controle que sua organização precisa ter no dia a dia é sobre os métodos de entrega das matérias-primas. Afinal, são muitos contratempos que um problema nessa etapa pode gerar no processo de produção.

Dependendo no tipo de material, o processo de fabricação teria que ser abortado em caso de erros na entrega. Então tenha esse momento como uma das formas de garantir a qualidade no produto final.

  • Dica: Você está comprando materiais sob contratos fixos de fornecedores? Então as especificações preliminares deverão ser aprovadas com bastante atenção pelo seu departamento de compras e pelos próprios fornecedores. Isso deve ser feito antes que possam ser formalmente emitidas e implementadas. Nesse ponto, dê atenção ao método de entrega.

4. Direcionamento de acordo com o APQP

Por fim, um parâmetro que não pode ficar de fora é o trabalho feito em cima do APQP – Advanced Product Quality Planning ou Planejamento Avançado da Qualidade do Produto. Essa ferramenta de gestão da qualidade possui 5 fases, e funciona como um guia de processos para reduzir possíveis falhas.

Esse trabalho é baseado em pontos como:

  • Análise das embalagens dos produtos;
  • Avaliação do design;
  • Conformidade em relação às NRs;
  • Diversos outros pontos que se referem a qualidade.

Produtos complexos e cadeias de suprimentos apresentam muitas possibilidades de falha. Isso é verdade especialmente quando novos produtos estão sendo lançados. E o APQP é um processo estruturado que visa garantir a satisfação com novos produtos e processos.

Mas lembre-se: é preciso iniciar desde o momento de análise da qualidade da matéria-prima.

  • Dica: Os profissionais da área de qualidade precisam ter o entendimento sobre as principais metodologias aplicadas no mercado. E um desses casos é do APQP. Então invista em cursos, eventos e demais formas de aprendizado para sua equipe ficar sempre por dentro das novidades.

O resultado mais importante sempre será a qualidade do produto final!

Os dados coletados em torno dos perfis de qualidade de matérias-primas específicas podem ser usados ​​para trabalhar com o fornecedor para resolver os problemas encontrados. Esse trabalho precisa ser feito com o foco no resultado final, que é entregar itens de qualidade para os consumidores finais.

Precisamos garantir também que as especificações estejam relacionadas a atributos de qualidade da matéria-prima. Eles não podem ser definidos apenas com requisitos obrigatórios e mais técnicos. 

Mantendo o foco nesses princípios, o objetivo principal será alcançado. E se você quiser focar ainda mais nos resultados, veja aqui 7 dicas para implantar um processo de gestão de resultados!

Solicite uma demonstração do software Checklist Fácil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This