gestão da cadeia de suprimentos na indústria

Gestão da cadeia de suprimentos: saiba o que mudou com a Era 4.0

Quando lemos o termo “indústria 4.0” ou “gestão da cadeia de suprimentos 4.0”, a primeira pergunta que vem à mente é: quais foram as fases 1.0. 2.0 e 3.0? As duas primeiras são aquelas revoluções que a gente estuda lá nos livros de história e geografia. Na Primeira Revolução Industrial, os homens inventaram máquinas que conseguiam operar com uma produtividade muito superior à mão de obra humana. 

Na Segunda, criaram-se metodologias de organização da linha de produção que permitiram um aumento de eficiência, o que gerou uma superprodução em poucos anos. A Terceira chegou com a introdução dos computadores e a utilização da tecnologia virtual para gerenciar a produção com suas planilhas e sistemas de organização de dados. Então o que a Indústria 4.0 reserva para nós? Para saber a resposta, acompanhe nosso post!

Mas o que diferencia a indústria 3.0 da 4.0?

Na indústria 3.0 a tecnologia era um braço auxiliar da força de trabalho manual ao passo que, na 4.0, ela se tornou uma protagonista. Bem, a tecnologia avançou de tal forma que os processos industriais que víamos anteriormente parecem completamente ultrapassados.

Por exemplo, atualmente, muitos sistemas de gestão operam praticamente sozinhos: eles mesmos coletam os dados, organizam, analisam e tomam algumas decisões. Chegamos a um ponto em que um robô opera outro robô. Nas linhas de montagem de carros, por exemplo, são os softwares que tomam as decisões de controle dos robôs mecânicos. 

Na gestão, os RPA são capazes de compreender a linguagem humana e integrar dois sistemas diferentes sem a necessidade de que uma pessoa intervenha. Eles realmente entendem a interface e dão comandos. 

Como a tecnologia tem permitido uma gestão mais assertiva?

Esse cenário está no contexto chamado de Transformação Digital, no qual alguns conceitos têm mudado completamente a relação homem-máquina e máquina-máquina. São 3 as principais tecnologias revolucionárias. Confira a seguir.

Inteligência Artificial (IA)

A IA é um conceito muito complexo que envolve várias fases evolutivas. Mais amplamente, ela se refere à capacidade de aprendizado de máquina, ou seja, códigos de programação que conseguem aprender com dados, experiências e, em alguns casos, com a própria linguagem humana.

No caso da gestão, por exemplo, você poderá dar um comando de análise de dados. A ferramenta de IA automaticamente buscará as fontes de dados, analisará as palavras e os números, interpretará a linguagem e fornecerá um relatório completo com as variáveis de que você precisa. Por exemplo, ela realiza automaticamente a integração dos dados do estoque, das aquisições e das vendas sem precisar sequer de um clique humano.

Internet das Coisas

A Internet das Coisas compreende à utilização de sensores e dispositivos computacionais integrados que se comunicam por meio da Internet. Por exemplo, sensores instalados em uma câmara frigorífica monitoram a temperatura. Caso ela atinja níveis inadequados, eles enviam uma notificação para o sistema de gestão da empresa para que algum colaborador verifique o equipamento

Se estiver integrada à Inteligência Artificial, é possível que as máquinas tomem decisões por conta própria, como tentar o fechamento forçado de uma porta eletrônica, aumentar a potência do motor ou soar um alarme. 

Powered by Rock Convert

Big Data

O Big Data é um tipo de software que consegue coletar, processar e analisar gigabytes de dados disponíveis online ou em bancos de dados em apenas alguns segundos. No ambiente empresarial, essa ferramenta está sempre coletando as informações inseridas no sistema: lançamentos fiscais, métricas, indicadores, relatórios e, em alguns casos, até as gravações de chamadas dos clientes.

Assim, ela consegue verificar as tendências comerciais e financeiras do seu negócio, fornecendo insights importantíssimos para a tomada de decisão. Por exemplo, ela pode gerar um relatório de despesas detalhado, indicando as categorias mais caras, os setores que mais gastam, enfim, tudo o que pode influenciar as escolhas de um gestor.

Quais são as tendências tecnológicas da cadeia de suprimentos?

Internet das coisas

A Internet das Coisas é a grande revolução na gestão da cadeia de suprimentos, visto que os sensores permitem ações incríveis. Por exemplo, por meio de um software de IA integrado às câmeras, é possível fazer um controle de estoque automatizado. As câmeras vão registrar todo o espaço do armazém e mandar as informações para um computador.

Nele, a IA compreenderá o que cada caixa ou pacote significa, fazendo uma baixa automática daquele insumo assim que ele sair do ambiente. Outra possibilidade são os sensores instalados na linha de produção, que serão capazes de medir a velocidade e as condições de produção. Esses dados são enviados para um computador que pode, autonomamente, acelerar ou reduzir a rapidez da esteira de produção.

Por fim, há também a gestão de frotas. Os sensores GPS são instalados em cada veículo de modo que um software monitora toda a rota para que o gestor tenha uma visibilidade em tempo real. 

Inteligência artificial

A Inteligência Artificial consegue dominar grande parte da linha de produção por meio de seus braços mecânicos, mas agora ela também será imprescindível na gestão. Por exemplo, um robô poderá monitorar uma remessa desde o momento que ela sai da empresa e gerar atualizações no status. É como ele entendesse a localização fornecida pelo GPS e interpretasse o que aquilo quer dizer.

Assim, quando ele consegue entender que o produto chegou à casa do cliente, manda mensagens para todas as partes sobre essa informação. Caso haja atraso, ele também compreende isso e envia notificações para os gestores e ou e-mails para os clientes se desculpando do erro. 

Soluções analytics

As soluções analytics são as ferramentas que extraem informações importantes para as decisões empresariais por meio do Big Data. Um exemplo de analytics é a previsão de demandas, essencial para a cadeia de suprimentos. Ao analisar a procura por produtos no seu e-commerce, nas redes sociais ou nos mecanismos de busca, esses sistemas estimam uma demanda futura de modo que você possa fazer pedidos mais assertivos aos seus fornecedores. 

Softwares especializados

O nicho dos softwares de gestão da cadeia de suprimentos tem crescido todos os dias e isso tem trazido soluções muito interessantes. Um exemplo são as plataformas de checklist. Lá os gestores podem inserir todas as tarefas de um processo logístico para que o colaborador não se esqueça de nenhuma etapa. A cada ação concluída, ele deverá registrar no sistema e o gestor poderá auditar se ela foi realmente executada e em que nível de qualidade.

Com todas essas possibilidades da gestão da cadeia de suprimentos 4.0, os processos de produção se tornam muito mais bem executados. Afinal, as máquinas conseguem fazer muitas tarefas rapidamente com uma baixa taxa de erro. Além disso, tem oferecido um nível de integração gigantesco, no qual muitas informações são atualizadas e consolidadas em tempo real. 

A indústria 4.0 e a Transformação Digital estão trazendo uma revolução impressionante no mercado, não é mesmo? Por isso, não deixe ninguém de fora e compartilhe o nosso post nas redes sociais!

Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This