Como transformar minha empresa em uma franquia?

Alguns empresários se deparam com o termo “franquia” na hora de procurar opções para a expansão de sua empresa. Apesar de ser uma alternativa viável e lucrativa de conquistar essa expansão, transformar empresa em franquia requer uma série de atenciosas avaliações para que haja uma gestão profissional que realmente garanta os lucros previstos.

Assim, preparamos este post para que você saiba melhor como transformar seu empreendimento em uma rede franqueada e alcançar o sucesso desejado. Confira!

Autoanálise

Para começar sua rede e criar franquias, é necessário analisar a situação atual de sua empresa. Se o seu negócio não tiver algum diferencial que possa ser competitivo no mercado, dificilmente alcançará sucesso como franquia.

Sendo assim, faça um estudo de viabilidade de seus planos para certificar-se de que sua empresa tem estrutura para se tornar uma rede franqueadora. Lembrando que nem todo negócio é franqueável.

Porém, se sua dúvida refere-se ao porte do seu empreendimento, vale ressaltar que micro e pequenas empresas também podem ser franqueadoras. Essas empresas costumam entrar na categoria de microfranquias, que têm conquistado cada vez mais a aceitação no mercado.

Planejamento

É necessário que sua empresa se adéque para o modelo de franquia. Para isso, 4 passos são fundamentais:

1. Faça o modelo de negócios da franquia

Tudo deve ser pensado na franquia — dos atrativos que farão os clientes comparem até a estrutura de parcerias e custos para o bom desempenho da unidade.

Não se esqueça de que todos os procedimentos do negócio deverão estar especificados em um manual da franquia, que vai expor, de maneira clara, tudo o que é permitido ou proibido ao franqueado que usar a marca, além de toda a padronização de processos.

Quem procura abrir uma franquia não deseja começar um negócio do zero. Um franqueado busca, acima de tudo, o know how do franqueador, ou seja, sua experiência adquirida ao longo do tempo nesse negócio.

Por isso, é necessário transferir esse conhecimento para ele por meio desse manual da franquia, mas, também, por meio de cursos para que ele absorva o máximo de informações sobre o negócio.

2. Desenhe o modelo de negócios do franqueador

Não basta ter o modelo de negócios da unidade franqueada. Também é necessário definir o modelo do franqueador. Neste momento, você decidirá se os royalties serão proporcionais ao faturamento do franqueado ou fixos, quais as formas de receita do franqueador, que poderão incluir taxas de instalação, publicidade etc.

Essas questões não têm uma resposta pronta. Tudo depende da análise das necessidades da estrutura que se pretende montar. Neste passo, é muito importante também definir o tipo de apoio que você vai fornecer ao franqueado. Capacitações e treinamentos periódicos podem ser oferecidos presencialmente ou por meio de videoaulas, por exemplo.

Outra questão que deve ser levada em conta é a estrutura da loja matriz. Ela poderá servir como exemplo de aplicação dos padrões adotados pela franquia. Os interessados e até mesmo os franqueados poderão visitar essa loja piloto para conhecerem as práticas de gestão da marca.

3. Elabore o plano de negócios do franqueado

Com a elaboração de um plano de negócios será mais fácil responder às questões frequentes de quem estiver interessado em comprar uma franquia da sua marca. Geralmente, os novos empreendedores querem saber quanto têm que investir, o prazo de retorno, quanto conseguirão retirar por mês etc.

4. Desenvolva o plano de negócios do franqueador

Para que a marca prospere, o negócio deve ser bom para o franqueado e para o franqueador. No plano de negócios, é preciso incluir os royalties, a taxa de franquia e demais custos com suporte ao franqueado, consultoria etc. de um modo que ainda gere o lucro esperado pelo franqueador.

Registro da marca

Ao optar pela transformação de seu negócio em franquia, o uso da marca é cedido a terceiros mediante a assinatura de contrato, portanto, torna-se de fundamental importância que ela seja registrada para ser protegida e evitar eventuais problemas com seu uso indevido e complicações de licenciamento.

A propriedade da marca só acontece depois que ela for registrada no Instituto Nacional da Propriedade Industrial — INPI. Não deixe de fazer isso!

Estrutura jurídica

Com toda certeza, este é um dos passos que requer maior atenção. Ele rege as relações entre franqueados e franqueadores. Sem instrumentos jurídicos de controle, uma franquia certamente estará fadada ao caos.

Além de tantas áreas a serem resolvidas, sua estrutura jurídica envolve a construção da COF (Circular de Oferta de Franquia), que serve para ser apresentada ao candidato a ser franqueado, contendo informações específicas, como o histórico resumido, forma societária, tempo de contrato, direitos sobre a marca, taxas, entre outras informações.

Planos de expansão

Realizadas as etapas iniciais, é preciso um planejamento cuidadoso e estratégico da expansão de sua marca para que maximize as probabilidades de sucesso e minimize os riscos de uma expansão desordenada em regiões ou cidades que venham a não prover retorno.

Inicialmente, torna-se interessante a abertura de unidades próximas à sua matriz, independentemente de serem unidades próprias ou de franqueados externos, pois assim é mais fácil estimar resultados em um mercado que já se conhece, praticar ações de marketing mais direcionadas e baratas, além de ter maior visibilidade da marca em regiões onde se encontram mais de uma unidade.

Entre as estratégias de comercialização da franquia, aposte no marketing digital, em uma boa assessoria de imprensa, participação em feiras e eventos, entre outras táticas. Mas, para que você venda bem, sua franquia precisa passar, acima de tudo, profissionalismo. Trata-se de um mercado competitivo e os novos empreendedores são exigentes.

Seleção de franqueados

Lembre-se: a seleção de bons franqueados define o sucesso de sua franquia. Deve haver um processo de seleção de franqueados adequado ao perfil de sua empresa. Cada franqueadora pode utilizar processos e ferramentas diferentes para essa escolha, porém, em geral, são procuradas pessoas de perfil empreendedor, capazes de gerir e atingir resultados projetados para sua unidade.

Verifique se o candidato tem condições financeiras planejadas — saber se o mesmo é capaz de assumir o investimento inicial e o capital de giro necessários para até que o negócio atinja condições estáveis de se manter sozinho — e tempo disponível para dedicação ao novo negócio.

Gestão e relacionamento

Mas, para que essa parceria realmente funcione, é preciso que franqueado e franqueador estabeleçam um relacionamento educado, correto e responsável. Neste sentido, reuniões, ações de marketing, consultorias de campo ou pela internet ou um call center para atender franqueados podem ajudar a resolver essa questão.

Um instrumento indispensável são os sistemas informatizados, que permitem uma interação bem ajustada, eficaz e rápida. Além disso, os relatórios gerados a partir desses sistemas disponibilizam informações valiosas sobre essa parceria.

A franquia pode ser um passo certeiro na expansão do seu negócio, porém requisita que o legado a ser transmitido aos donos das novas unidades independentes de seu empreendimento seja tão bom quanto o original, em que tanto esforço e boas práticas foram certamente investidos.

E então, você tem alguma dúvida sobre como transformar empresa em franquia? Tem alguma dica para compartilhar com os outros leitores? Deixe seu comentário e conte para gente.

Powered by Rock Convert

One Reply to “Como transformar minha empresa em uma franquia?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This