Como estabelecer um plano de gerenciamento de resíduos em farmácias

A manipulação de medicamentos envolve diversos processos químicos e misturas de substâncias. Esse processo possui riscos tanto para as pessoas que os conduzem, quanto para o meio ambiente. Aplicar técnicas de controle e gerenciamento é essencial para evitar contaminações e danos socioambientais. Assim, é importante que as farmácias de manipulação estabeleçam um plano de gerenciamento de resíduos em suas estruturas que possam mitigar os riscos envolvidos nessa atividade.

Desenvolver esse tipo de plano é uma forma de minimizar a produção de resíduos durante as atividades de manipulação e ainda garantir que esses resíduos tenham a devida destinação — o que contribui para a segurança dos funcionários de uma farmácia e ainda preserva a saúde pública, evitando a contaminação dos bens naturais. Esse sistema é uma forma dos estabelecimentos farmacêuticos de criar uma política sustentável e que se preocupa com o bem estar socioambiental das localidades em que estão inseridos.

No post de hoje, iremos discutir como estabelecer um plano de gerenciamento de resíduos eficiente para uma farmácia. É só conferir e colocar em prática! Acompanhe.

De quem é a responsabilidade?

O gerenciamento de resíduos é dever do responsável legal de uma farmácia de manipulação. E isso envolve desde a geração desse resíduo até a sua disposição final. Esse controle pode ser feito por um técnico responsável, mas para isso, é necessário que o profissional seja habilitado e responda a certos critérios que sempre são relacionados ao tipo de resíduo e volume gerados.

O cumprimento dessas regras se faz necessário devido ao risco em potencial à saúde humana e danos ambientais. Por isso, os resíduos de qualquer serviço de saúde precisam ser processados logo em sua origem, o que obriga os profissionais do setor a fazer a separação do que é contaminado e garantir a sua devida destinação.

Como funciona a eliminação?

Os resíduos gerados a partir da manipulação de medicamentos — que também abrangem materiais como luvas, máscaras e sacos —, devem ser processados e descartados. Para isso, existem diversos procedimentos e locais adequados para a eliminação. Um dos modelos indicados é a utilização de sacolas brancas marcadas com uma cruz vermelha e contendo uma inscrição indicativa de lixo hospitalar.

É recomendado que esses resíduos sejam coletados dos centros de manipulação de uma a duas vezes ao dia e armazenado em locais próprios, além de ser separados dos demais lixos produzidos na farmácia. A eliminação desse material pode acontecer por incineração ou descarte em aterros sanitários específicos. Mesmo quando se opta pela incineração, as cinzas e escórias provenientes desse processo devem ser encaminhados a um aterro sanitário próprio para o descarte desse tipo de resíduo.

O mercado já oferece serviços de descarte de resíduos. Empresas especializadas oferecem mecanismos para o armazenamento dos materiais rejeitados e fazem regularmente a coleta dos lixos gerados durante a manipulação de medicamentos. A sua eliminação acontece em ambientes preparados para receber os resíduos e que atendem as exigências legais.

Atenção especial

Alguns artigos precisam de cuidados especiais no armazenamento e descarte. Produtos farmacêuticos devem ser jogados em recipientes rígidos e estanques com capacidade para até 30 litros. Esses precisam também serem revestidos com sacos plásticos duplos de cor branco-leitosa.

Já materiais como luvas, algodão, gazes, esparadrapo e tiras-teste, precisam ser colocadas em recipientes rígidos, impermeáveis, de cor bege e com tampa. A capacidade máxima de cada recipiente também é de 30 litros e com saco plástico resistente de cor branco-leitoso. Deve utilizar um símbolo de inscrição de resíduo biológico.

Agulhas, seringas e vidros são colocados em recipientes rígidos, resistente à punctura, ruptura e vazamento. Também precisa ter tampa e usar saco plástico resistente de cor amarela. Neste caso, a capacidade máxima de cada recipiente é de 13 litros e deve ser marcado com um símbolo de resíduo biológico com a inscrição perfurocortante.

Para as toalhas de papel, são exigidos recipientes rígidos de cor bege, com tampa e pedal, revestido de saco plástico impermeável preto. Aqui pode se usar uma capacidade máxima de 30 litros e com símbolo e inscrição de resíduo comum.

Mas como se lembrar de tanta coisa além do costume pela prática? Para não ter erro, é possível contar com um checklist para saber exatamente aonde e todas as etapas de procedência desse descarte. Para isso, a Checklist Fácil dispõe de um aplicativo de checklist que não deixará que etapas sejam negligenciadas ou esquecidas. Como você organiza seu plano de gerenciamento de resíduos? Deixe seu comentário contando para nós. Participe da conversa!

Powered by Rock Convert

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This